Projeto “Mulher Superando o Medo” será lançado na abertura da 15ª Semana Justiça pela Paz em Casa

Programa tem o objetivo promover a paz, prevenção, resolução de conflitos e inclusão, por meio de ações psicossociais de combate à violência doméstica.

No dia 25 de novembro, o Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES) dará início à 15ª Semana Justiça pela Paz em Casa. Durante a abertura do evento, será lançado o projeto social “Mulher Superando o Medo”, programa que visa ajudar mulheres vítimas de violência doméstica do município de Vila Velha a aumentarem suas rendas e ganharem autonomia financeira.

Desenvolvido pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comvides) em parceria com o Instituto de Inovação Win, o projeto consistirá em atendimentos individuais, levantamento das demandas psicológicas e encaminhamento para o Centro de Atendimento à Vida (CAV) e para o Centro de Referência Especializado em Atendimento à Mulher Vítima de Violência em Vila Velha (CRANVIVE).

Inicialmente, serão atendidas 100 mulheres de 07 comunidades do município de Vila Velha, que receberão capacitação em educação financeira com ênfase no aumento da renda.

A juíza da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJES, Hermínia Maria Azoury, enfatizou a importância da parceria.

“A nossa luta é incentivar mulheres. A presença de projetos como esse trazem um upgrade para a vida pessoal e profissional de mulheres que sofrem com a violência doméstica. Muitas delas são dependentes dos algozes e ficam na inércia, sem se posicionarem por conta desta dependência afetiva e econômica dos provedores”.

Além de atendimentos psicossociais, foi desenvolvido um aplicativo que, segundo a economista e idealizadora do projeto Isabel Berlink, será um “amigo” dessas mulheres que sofrem com a dependência afetiva e econômica.

“O projeto já nasce com o conceito 4.0 da revolução industrial que envolve todas as áreas da sociedade, onde nós vamos entregar a elas o direito de uso de um aplicativo financeiro, que eu gosto de chamar de amigo da mulher. Quando elas abrirem o aplicativo, receberão mensagens motivadoras, além de terem acesso ao controle de finanças de forma prática”, explicou.

A idealizadora destacou que era um desejo criar um projeto como esse. “Eu sempre tive o desejo de ter um projeto para ajudar pessoas e surgiu, então, um programa de finanças para mulheres, onde conseguimos parceria com o Tribunal de Justiça e criamos o projeto social Mulher Superando o Medo”.

Nós esperamos abrir a mente dessas mulheres para receber o novo, que é a educação financeira, para mostrar que, sabendo administrar o pouco recurso que elas têm oriundos de suas atividades, elas vão conseguir sair desse ciclo de violência”.

COMPARTILHE