Ministério Público oferece denúncia contra vereadora de Linhares por prática de ‘rachid’

A parlamentar foi denunciada como incursa 33 vezes no artigo 316 do Código Penal, por exigir, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, vantagem indevida, na forma do artigo 71

Linhares – A vereadora de Linhares Rosa Ivânia Euzébio dos Santos, a Rosinha, (PSDC), presa no último dia 26 e libertada no dia seguinte, foi denunciada pelo Ministério Público (MPES na semana passada pela prática de “rachid”, que consiste em extorquir parte de salários de servidores públicos.

Ela foi denunciada como incursa 33 vezes no artigo 316 do Código Penal, por exigir, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, vantagem indevida, na forma do artigo 71, que prevê crime continuado.

 

Outras pessoas também estariam envolvidas na prática, o que levou a Justiça a expedir, além do mandado da prisão da vereadora, dois de busca e apreensão e 12 conduções coercitivas de testemunhas. A vereadora foi conduzida para o Centro Prisional Feminino de Colatina (CPFCOL) e depois libertada.

 

A operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Norte) e contou com o apoio da 1ª Promotoria de Justiça Criminal de Linhares e do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar ao MPES, com participação da Polícia Militar.

As investigações, segundo o MPES, continuam sob sigilo.
Rosinha está em seu primeiro mandato, foi eleita com 1.182 votos, e pertence à base aliada do prefeito Guerino Zanon (MDB) na Câmara.

 

A vereadora é casada e tem mais de 20 anos de vida pública. Exerceu vários cargos antes de se eleger e foi responsável pelo Setor de Fiscalização de Obras, assessora de Gabinete do ex-presidente da Câmara, Ivan Salvador, e diretora da Agência Municipal de Agendamento (AMA). Século Diário.

COMPARTILHE