Incêndios florestais e a situação do Espírito Santo

Nos últimos dias, as queimadas se tornaram assunto recorrente nos diversos veículos de comunicação no Brasil e em vários países demonstrando, sobretudo, a devastação que o fogo vem produzindo no bioma amazônico.

Infelizmente, os incêndios florestais também atingem outras regiões no Brasil, como a Mata Atlântica, bioma no qual o Espírito Santo está inserido. A situação tende a ser mais grave durante o período mais seco do ano, coincidente com o outono e inverno. Nesses meses é comum a ocorrência de focos de incêndios (naturais ou provocados).

Apesar de ser uma prática adotada em muitas localidades, a queima controlada só deve ser realizada com autorização do Idaf. Sua prática constante prejudica o solo e elimina a microfauna, além de poluir o ar e ser um risco às florestas e para todos os que estão nas proximidades do fogo.

Para evitar danos maiores ao meio ambiente e ao ser humano, o Decreto Estadual Nº 1402-R/2004 suspende a autorização de queima controlada de maio a outubro e, em casos excepcionais, o Idaf pode emitir a Autorização para Queima Controlada – AQC.

 

Histórico dos incêndios no Espírito Santo e situação atual

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais realiza o monitoramento das queimadas e dos focos de incêndio ocorridos no território brasileiro. A instituição disponibiliza em seu site, números sobre as queimadas desde 1998, início do registro dos dados.

 

 

Fonte: Banco de dados do Programa Queimadas – Inpe

 

Para melhor observação da atual situação das queimadas no Espírito Santo, foram agrupados em tabela dados referentes ao período 2014 – 2019.

 

                                                                               *dados até 29/08/2019

Fonte dos dados: Banco de dados do Programa Queimadas – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

 

Cabe destacar que 2015 e 2016, período com grande quantidade de incêndios florestais, coincidiram com menor volume de precipitação no Estado, situação que foi sendo minimizada a partir de 2017, como apontam os dados do Incaper.

Até o momento, a quantidade de queimadas está pouco acima da média dos últimos 03 anos. Contudo, com o final do inverno e início da primavera e das chuvas, a tendência é que haja a diminuição no número de incêndios detectados.

Com relação aos focos de incêndio mais recentes no ES, os mais graves ocorreram em áreas pontuais do Estado, notadamente nas regiões Noroeste e Sul, localidades onde, conforme o Incaper, o volume de chuvas registrado ficou abaixo do esperado para o período.

Além de ser o órgão responsável pela emissão da Autorização de Queima Controlada, o Idaf desenvolve constantemente ações de prevenção aos incêndios florestais, ministrando palestras em escolas, universidades, sindicatos rurais e outros espaços, além de orientar diretamente o produtor sobre essa questão, bem como autuando aqueles que promovem queima sem autorização.

Para acompanhar a situação diária das queimadas no Espírito Santo acesse: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/situacao-atual/

 

Foto InfoEscola/Montagem ASCOMCMBSF

COMPARTILHE