‘Em Fux nós confiamos’, diz Moro a Dallagnol após conversa sobre Teori Zavascki

Novos trechos de conversas entre ministro e procurador da Lava Jato foram vazados nesta quarta-feira

Por O Dia

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro – MAURO PIMENTEL / AFP
Rio – Foram revelados novos trechos de conversas entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o coordenador e procurador da Lava Jato, Deltan Dellagnol. “In Fux we trust (Em Fux nós confiamos)”, disse o juiz ao procurador, em uma troca de mensagens no aplicativo Telegram. O trecho da conversa foi divulgado no programa de Reinaldo Azevedo na Band News FM, na presença de Leandro Demori, editor-executivo do The Intercept Brasil, site responsável por divulgar as conversas.
Segundo o diálogo revelado, Dallagnol escreveu, a um grupo de procuradores da Lava Jato: “Caros, conversei com (o ministro do STF, Luiz) Fux mais uma vez hoje. Reservado, é claro. O ministro Fux disse, quase espontaneamente, que Teori Zavascki (ministro do e relator da Lava Jato no STF, morto em um acidente de helicóptero em janeiro de 2017) fez queda de braço com Moro e viu que se queimou, e que o tom de resposta do Moro depois foi ótimo. Fux disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez. Só faltou, como bom carioca, me chamar para ir a casa dele rs. Mas os sinais foram ótimos, falei da importância de nos protegermos como instituições. Em especial no novo governo (o governo Temer)”.
Logo em seguida, Dallagnol teria enviado a conversa para o juiz Sergio Moro, que teria respondido apenas: “Excelente. In Fux we trust (Em Fux nós confiamos)”.
Entenda os vazamentos
No último domingo, o site The Intercept Brasil divulgou conversas privadas entre o juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, inclusive o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol. Os diálogos mostram que juiz e procuradores trabalharam em conjunto para alinhar os desdobramentos da operação, chegando a impedir que o ex-presidente Lula fosse entrevistado durante as eleições de 2018, com o objetivo de evitar uma eleição do candidato do PT.
O site afirma que as conversas foram enviados por uma fonte anônima. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e a Lava Jato afirmam terem sido alvos de ataque hacker. O aplicativo Telegram disse que não há evidência de ataque hacker.
COMPARTILHE