Defesa nega que suspeitas mandaram matar agricultora em Vargem Alta

Advogado afirma que as provas e elementos indicam que Sula e Flávia Almeida não encomendaram o crime. Agricultora Thamires Lorençoni, de 26 anos, foi morta a tiros no dia 30 de novembro, na ES 164, em Vargem Alta. A Polícia Civil trabalha no caso desde o suposto latrocínio ter ocorrido no sábado e acabou desvendando o assassinato da agricultora e as mandantes do crime foram presas

Elas são acusadas de serem as mandantes do assassinato da agricultora Thamires Lorençoni Mendes, de 26 anos, morta a tiros, na tarde do último sábado, no dia 30 de novembro, na Rodovia ES 164, na localidade de Gávea, em Vargem Alta, quando voltava juntamente de seu marido, de uma feira no Município de Mimoso do Sul.

Inicialmente o crime foi divulgado como latrocínio, ou seja, um assalto seguido de morte. Porém, durante a investigação realizada pela Polícia Civil, coordenada pelo delegado Rafael Amaral, que responde pela Delegacia de Vargem Alta, chegou à conclusão que o homicídio foi encomendado pela madrasta do marido da vítima juntamente com sua filha.

A Polícia Civil não repassou mais informações sobre as investigações, que ainda estão em curso. Mas, chegou à conclusão que as duas mulheres foram as mandantes do homicídio e contrataram os pistoleiros no bairro Village da Luz, em Cachoeiro de Itapemirim.

Sula e sua filha Flávia foram conduzidas para a delegacia de Vargem Alta, onde prestaram depoimento e foram encaminhadas para a ala feminina do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim.

FONTE: DahoraES

COMPARTILHE