Ales promove simpósio de comunicação pública

Profissionais e pesquisadores participam do evento que celebra 18 anos da TV Assembleia e 15 anos da Secretaria de Comunicação da Ales

No mês de setembro a Assembleia Legislativa (Ales) vai reunir profissionais renomados, especialistas, autoridades e políticos para discutir o futuro da comunicação pública. O simpósio “Tendências da Comunicação Pública no Brasil” ocorre nos dias 18, 19 e 20, em diversos espaços da Casa. Neste simpósio, Barra de São Francisco esteve representada através do secretário chefe do gabinete da Presidência da Câmara Municipal, Higor Soares, do procurador jurídico Amarildo Lacerda Barbosa e do assessor de imprensa da casa, jornalista Carlos Madureira.

Durante o encontro foram realizados painéis, palestras, debates, mesas-redondas e oficinas. O acesso é gratuito e aberto ao público.O evento celebra os 18 anos da TV Assembleia e os 15 anos da Secretaria de Comunicação Social do Legislativo estadual. Uma hora antes do início de cada painel, aconteceram oficinas e mesas-redondas, onde o inscrito no simpósio, deveria confirmar sua presença na atividade, realizando o seu credenciamento no próprio local do evento. A exceção foi para a palestra de abertura.

Convidados

Abrindo a programação, no dia 18, aconteceu palestra da ex-ministra-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Helena Chagas. Ela discorreu sobre o tema “Comunicação Pública: para onde estamos indo?”.  Para essa atividade, especificamente não houve credenciamento e as vagas foram limitadas à capacidade do Plenário Dirceu Cardoso.

Destaque para a mesa-redonda com mediação do professor da Ufes e jornalista José Antônio Martinuzzo abordando a questão das novas mídias e novas linguagens, com os jornalistas Daniel Adjuto (SBT/Youtube), Elaine Silva (Rede Gazeta), Zelita Viana (TV Assembleia) e a professora Ruth Reis (Ufes) como debatedores.

Para discutir a “Comunicação Política em tempo de Fake News” mesa-redonda trouxe como debatedores o publicitário Wander Gadita; o mestre em políticas públicas e fundador do Núcleo de Repressão aos Crimes Eletrônicos, Eduardo Pinheiro; o jornalista e professor da Faesa Fabiano Mazzini, e os repórteres de política Vinícius Valfré (Rede Gazeta) e Brunela França (A Tribuna). A mesa foi mediada pelo perito na área de Computação Forense, Gilberto Sudré.

A diretora da Coordenação da Rede Legislativa de Rádio e TV, Evelin Maciel, coordenou painel sobre desafios e oportunidades para a rede que tem como parceiros o Senado Federal, Assembleias e Câmaras Municipais de todo o País. O engenheiro eletrônico Rony Luiz Pussenti (Panasonic) foi o instrutor da oficina “novos tempos, novas tecnologias”.

O jornalista, escritor e palestrante Mario Rosa comandou mesa-redonda que trouxe o debate do relacionamento entre assessoria e imprensa. O jornalista e colunista Leonel Ximenes (A Gazeta), o diretor de conteúdo Antônio Carlos Leite (BandNews FM), o jornalista Elimar Cortês, a superintendente Estadual de Comunicação, Flávia Mignoni, e o assessor de Comunicação do MPES, Rubem Roschel, participaram da discussão.

“Comunicação pública: como fazer” foi o tema de oficina com o gerente de Comunicação Estratégica da Embrapa, Jorge Duarte, que já ocupou a função de assessor especial e diretor do Núcleo de Comunicação Pública da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

Transformações

Para o secretário de Comunicação da Ales Fernando Carreiro, o simpósio aconteceu num momento em que a comunicação passa por grandes transformações e a liberdade de expressão começa a ser questionada. “A Assembleia dá um passo importante ao provocar o debate sobre a missão da comunicação pública na sociedade de hoje e ao tentar responder um questionamento tão importante quanto desafiador: para onde estamos indo?”, disse.

Ele explicou que o encontro estava sendo preparado desde o início do ano e que as mais de 20 horas de atividades são uma contribuição da Ales para esse cenário de dúvidas. “É uma tentativa de apontar caminhos para os problemas e, principalmente, para aquilo que ainda não se exibe no horizonte da comunicação pública que, como sabemos, é a maior garantidora da relação entre as instituições representativas da sociedade e o cidadão”, explicou.

ASCOMCMBSF/ Foto: Arte de Lucas Albani

COMPARTILHE