Entenda a proposta de Jair Bolsonaro para o Imposto de Renda

Mudança beneficia quem entra na faixa de isenção e também aqueles que recebem salários mais altos

Brasil – Jair Bolsonaro (PSL), presidente eleito neste domingo (28) com 55% dos votos, propõe que sejam isentos do Imposto de Renda os contribuintes que ganham até cinco salários mínimos (um total de R$ 5.030, considerando o previsto para 2019 na proposta de Orçamento) e uma alíquota única de dedução.

A proposta é que haja uma alíquota única de 20%. Uma pessoa cujo salário mensal é de R$ 7 mil, por exemplo, pagaria R$ 400 ao mês de Imposto de Renda; na tabela atual do IR, que prevê uma dedução de 27,5% para os que recebem mais de R$ 4.664,68 ao mês, essa pessoa paga R$ 884,85. Na proposta de Bolsonaro, portanto, a contribuição deste trabalhador ficaria menor. Esses valores já consideram a dedução do INSS.

A vantagem é maior para quem entra na faixa de isenção e também para aqueles quem recebem salários mais altos: uma pessoa com salário mensal de R$ 20 mil pagaria R$ 3 mil na alíquota única de Bolsonaro, valor 35% menor do que os R$ 4.630 que são cobrados pela regra atual.

Hoje, é isento do imposto quem recebe até R$ 1.903,98 ao mês. Com o aumento do limite de isenção, estima-se que 16 milhões de contribuintes fiquem livres da cobrança.

Uma das consequências da mudança é a menor arrecadação pelo governo: a equipe econômica atual estima que ela custe R$ 60 bilhões aos cofres públicos. Para que não seja de tamanho impacto, o futuro ministro da Fazenda de Bolsonaro, Paulo Guedes, prevê tributar dividendos e a adoção de um imposto sobre valor agregado (IVA), além de mudar as regras de arrecadação de outros impostos. Foto:Fernando Frazão/Agencia Brasil.

COMPARTILHE