Pesquisa aponta favoritos para as eleições no Espírito Santo

Estado – Uma pesquisa realizada pelo Instituto Paraná aponta que o ex-governador está à frente da disputa com 32,59% das intenções de votos. Ele é seguido pelo atual governador Paulo Hartung (MDB), com 32%. O resultado é de um dos três cenários pesquisados, sendo que no primeiro e no segundo, além dos nomes de Casagrande (27,9%) e Hartung (27,5%), estão os de Amaro Neto, Ricardo Ferraço, Rose de Freitas, Coronel Foresti, André Moreira e Gustavo De Biasi – no primeiro. E Rodney Miranda no lugar de Amaro, no segundo.

Em um segundo cenário, também na menção estimulada, Casagrande lidera com 30,3% dos votos, contra 29,6% de Hartung. Já no terceiro estão apenas os nomes de Renato, Paulo, a senadora Rose, coronel Foresti e André Moreira, onde o ex-governador está na frentes com 32,5% das intenções de voto, segundo pelo governador (32%), Rose (6,2%), Coronel Foresti (3,2%) e André Moreira (1,8%).

Se nas eleições de outubro os candidatos ao Governo do ES fossem Paulo Hartung, Renato Casagrande e Rose de Freitas (Podemos), o Instituto Paraná fez um comparativo entre o potencial eleitoral dos três e apontou que “com certeza” votariam em PH 17,8% dos eleitores, seguidos por 17,2% Casagrande e 2,6% a senadora. A maior vantagem do ex-governador está em quem poderia votar nele e nos que “de jeito nenhum” apoiam seu retorno ao Palácio Anchieta. A opção “poderia votar” foi escolhida por 47,3% dos eleitores quando o candidato era Renato, seguido por 38,2% para Paulo Hartung e 29,9% para Rose de Freitas.

Já não optariam pelo atual governador “de jeito nenhum”, 41,7%, seguido pela rejeição ao nome da senadora (56,9%) e do ex-chefe do Executivo estadual (33,2%). Apesar desse resultado a administração do atual governo tem a aprovação de 58% dos entrevistados – apontam como regular 36,6%, seguido de bom (27,4%) e ótimo (9,7%).

Magno Malta lidera no Senado

O Instituto Paraná também fez levantamento sobre como os eleitores capixabas podem votar ao Senado Federal em outubro. E, se o senador Magno Malta (PR) não for compor a chapa presidencial de Jair Bolsonaro (PSC), como está cotado, pode se considerar reeleito. Ele tem apoio de 40,6% dos que responderam a pesquisa, seguido de Amaro Neto (32,7%), Ricardo Ferraço (29,3%), Fabiano Contarato (12,9%), Sergio Majeski (8,8%) e Marcos do Val (5,7%).

Quando avaliado o potencial eleitoral de quatro deles, a maior rejeição é ao deputado estadual Sergio Majeski, que teve 46,6% dos eleitores afirmando que não votariam nele “de jeito nenhum”. Um quadro negativo seguido por Ricardo Ferraço (40%), Magno Malta (36,9%) e Amaro (32%).

A pesquisa, estimulada, foi realizada por meio de entrevistas pessoais com eleitores com 16 anos ou mais em 50 municípios capixabas, durante os dias 28 de junho a 3 de julho de 2018. Ela está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número/ES 02366/2018. A margem de erro da pesquisa é de “aproximadamente 2,5%” para os resultados gerais.

COMPARTILHE