Governador regulamenta lei que permite volta de policiais civis aposentados a ativa

Vitória – Foi regulamentada na quinta-feira (11) pelo governador Paulo Hartung, a lei complementar que permite a volta de policiais civis aposentados a ativa, em atividade administrativa. A regulamentação da Lei Complementar número 850, de 17/03/2017, que Institui o Serviço Voluntário de Interesse Policial (SVIP), permite que os aposentados exerçam serviço voluntário para a realização de tarefas de natureza eminentemente técnico-administrativa, no âmbito da segurança pública, compreendendo atendimento ao público, lavratura de boletins de ocorrência, preenchimento de formulários diversos, condução de veículos policiais automotores, proteção e escolta de agente público e outras atividades afins.

A ação vai permitir o reforço em atividades de atendimento ao público e a utilização de policiais, que hoje exercem essas atividades, em campo. A regulamentação será publicada no Departamento de Imprensa Oficial (DIO) desta sexta-feira (12).

A regulamentação divide as atividades que podem ser exercidas por delegados e demais policiais civis aposentados. O delegado, por exemplo, poderá emitir parecer técnico e despachos. Poderá ainda entrevistar preliminarmente testemunhas, vítimas e policiais, assim como poderão realizar atividades como controle de servidores terceirizados.

Eles poderão ainda exercer funções administrativas ligadas a chefia de polícia, corregedoria, academia de polícia e outras repartições, incluindo assessorias, departamentos, divisões e delegacias regionais.

Já os demais policiais, como investigadores, agentes e peritos, poderão exercer funções como vistoria de veículos, segurança e proteção patrimonial, registro de ocorrências, instrução de processos de emissão de carteira de identidade, preenchimento de formulários, tais como estatísticas, entre outros.

Os policiais interessados em exercer o Serviço Voluntário de Interesse Policial (SVIP) serão submetidos a processo de seleção específico, pela Academia da Polícia Civil (Acadepol).

“A regulamentação dessa lei, que é uma estratégia interessante para auxiliar a recomposição do efetivo, permite que bons profissionais, ainda em condições de contribuir com a sociedade, possam voltar a atividade, porém, na parte administrativas. A experiência é sempre um diferencial nas relações humanas e permitirá o compartilhamento de conhecimentos técnicos com os mais jovens que estão na Polícia Civil. Essa foi uma importante iniciativa do Governo do Estado para começarmos o ano bem e com a possibilidade legal de ampliarmos o atendimento ao público”, comentou o chefe da Polícia Civil, delegado Guilherme Daré.

COMPARTILHE