Academias empregam falsos professores de educação física no Estado

Em Linhares a fiscalização encontrou dois casos irregulares sendo uma delas na área do tênis

Estado – Sessenta e cinco falsos profissionais estão orientando atividades de Educação Física em academias e outros estabelecimentos no Espírito Santo.  As irregularidades não param ai e de acordo com matéria veiculada em Século Diário,  143 casos de estabelecimentos fora do regulamento foram registrados em 25 municípios capixabas.

A denúncia, feita nesta sexta-feira (5), é do Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região (CREF1), que cobre o Espirito Santo e o Rio de Janeiro. As diligências do Conselho Regional de Educação Física no Espírito Santo foram realizadas de janeiro a dezembro de 2017.  O conselho aponta que do total de casos de exercício ilegal, 32 foi na musculação,  seguido por treino de condicionamento físico, com dez casos e ginástica, com sete falsos professores em atuação.

As cidades de São Mateus e Cachoeiro de Itapemirim registraram quatro casos cada”, diz o conselho. As ocorrências de professores ilegais foram em musculação e ginástica. Também com três irregularidades, Colatina tinha professores ilegais em musculação, com dois casos, e condicionamento físico.

Em Mucurici, as irregularidades foram constatadas em musculação, com dois casos e ginástica rítmica. Os municípios de Santa Teresa, São Gabriel da Palha e Linhares tiveram duas ocorrências, uma delas em tênis. Um caso de irregularidade, cada, foi registrado em Aracruz, Montanha, Mimoso do Sul e Alegre.

Além dos casos de exercício ilegal, o CREF1 também constatou irregularidades em estabelecimentos do Estado. Entre eles, 78 não possuíam registro de pessoa jurídica e nem responsável técnico nomeado junto ao CREF1; 36 salas estavam desprovidas de profissionais; e 29 profissionais atuavam fora de sua área de habilitação.

O conselho informa que “todos os casos de exercício ilegal foram encaminhados ao Ministério Público e os estabelecimentos irregulares estão com processos em andamento no Departamento Jurídico do Conselho”.

COMPARTILHE